Uma tormenta que vem do centro de espírito, um algo impróprio e indesejável, um incauto sentimento de derrubada que assola a fraca mente e despedaça a própria alma, tornando-a mera brisa na História, um flash de uma ideia que não se concretiza como real.

Descendido a elemento quase nulo, de memórias inóspitas e aquietado pelos soluços dos sofridos que amarelamente sorriem com o amargor de suas ásperas línguas, contemplo a queda de um império outrora sustentado pelo saber, outrora com a vida condizente.

Há fogo, há ferro, há habilidade, há espada! Mas o símbolo da arma se perdeu no levante da guerra. E o saber da guerra se esvai com a execução alheia. Já não há mais quem se acomode com o pensar enquanto tendo empunhada a verdade que perfura, corta e finda o argumento.

Guerra e paz! Paz e guerra! Quando uma incomoda… atiramos nela… depois a prendemos em um mesmo sádico argumento para que sofra solitária em seu cárcere ideológico. Em seguida surge o pretensioso inequívoco dizendo que não há paz sem guerra.

Ora! Nunca houve paz! E nem, nunca, houve guerra! Apenas há o caos nessas mentes inquietas, pois a paz já nasceu como utopia e uma guerra, qualquer que seja, não se fundamenta na histeria.

Padrão

O ômega

Você me diz que é um macho alpha, mas não passa de um produto social, um constructo de ideologias que não mais se aplicam ou não deveriam.

Eu… sou um ômega, livre das obrigações da imagem do machão. Posso ser cordial ou me calar, sem a necessidade de ser brutal. Posso me adaptar a qualquer lugar onde você exista ou não. Curvo-me diante de ti para evitar a guerra, mas não sou adestrado. Quando discordar, desacatarei sua decisão, pois com ela não possuo e nem devo obrigação. Você é o alpha e eu sou o ômega. Sou a sua evolução.

Sou inimigo do grito e não temo apanhar de valentão. Cresci sovado na porrada e agora sou uma massa firme que, com o calor de suas guerras, se apronta para alimentar todos aqueles que sofreram exclusão. Sou o final do seu alfabeto, distante de suas iniciais concepções e suplente de suas inaptidões. Sou o precipício da sua ilusão, mas apenas o início da discussão.

Padrão